Glossrio de cor CECOR
Abstração Cromática

Um movimento artístico que, desde 1910, tende a intensificar a expressividade das cores contra suas qualidades decorativas.

Acomodação Retiniana

Adaptação da retina a determinados índices de luminosidade ou de obscuridade.

Acorde
Reunião de tons que compõe um conjunto harmônico de cores, com regras semelhantes às da música..
Acromático
O estado de não possuir matiz discernível, estando sem coloração.
Balanceado pelo Cinza
Uma propriedade de um espaço de cor RGB onde níveis iguais de vermelho, verde e azul sempre produzirão um cinza neutro.
Bit

Contração de “binary digit” (dígito binário), a menor unidade de informação que um computador pode utilizar. Um bit pode ter um de dois potenciais valores: ligado ou desligado, positivo ou negativo, 1 ou 0. Oito bits formam um byte, a unidade requerida para armazenar um caractere alfabético.

Bitmap
Formato de arquivo digital onde cada ponto da margem é representado por um certo número de bits, sem compactação. Num bitmap com 24 bits de cor cada ponto consumiria 3 bytes da memória. O oposto é uma imagem vetorial, onde a imagem é constituída por formas geométricas.
Brilho

São as qualidades de alta reflexão luminosa e forte de um matiz, tipicamente encontrado em cores saturadas.

CCD
Acrônimo de “Charge-Coupled Device” (Dispositivo de Carga Acoplada). Trata-se de um dispositivo dotado de capacitores que acumulam cargas elétricas e se descarregam ordenadamente, permitindo que as descargas sejam registradas por um registrador de deslocamento. Quando dotados de um sensor fotoelétrico, os CCDs podem ser utilizados em câmeras fotográficas e filmadoras digitais.
Cegueira Cromática
Nome comum dado às diversas patologias que ocasionam deficiências na percepção das cores, podendo ser congênitas ou adquiridas.
Círculo Cromático
Um diagrama circular representando o espectro completo das cores visíveis. Um círculo cromático, como do SCC, é organizado em 12 matizes divididos em 6 tonalidades cada, apresentado portanto 72 cores, sendo usado como ferramenta de harmonização cromática.
Clipping
A perda ou remoção de dados cromáticos de uma imagem, fora de certos limites tonais. Converter uma imagem de RGB para CMYK, para a impressão, geralmente envolve clipping dos verdes e azuis mais saturados, já que essas cores não são reproduzidas na impressão com a mesma saturação.
CMYK

O processo de impressão em quatro cores baseado na síntese subtrativa (química), onde C é ciano, M é magenta, Y é amarelo e K é o preto (é representado pela letra K, que significa key plate). Na reprodução subtrativa, as cores são criadas misturando-se ciano, magenta e amarelo, sendo a teoria de que - quando combinadas - produzem o preto. Entretanto, isto é raramente alcançável na impressão real e, se fosse, necessitaria de muita tinta e muito tempo para secar. Por esta razão,

Colorimetria
O termo técnico para a mensuração científica da cor.
Colorímetro de Lovibond

O inglês Joseph Williams Lovibond (1833-1918) inventou o primeiro colorímetro, feito com vidros coloridos cuja sobreposição criava padrões cromáticos para controle de qualidade das cervejas fabricadas pela família, em Greenwich, UK. Joseph inspirou-se vendo os vitrais coloridos de uma igreja. Após muitas tentativas, conseguiu um conjunto de placas de vidros coloridos que permitiram estabelecer um padrão de referência.

ColorSync
A implementação no nível do sistema nos computadores Apple, do gerenciamento de cores baseado em ICCs.
Compressão Lossless
Um método de compressão no qual não há perda ou descarte (lossless) de dados. Utilizada em arquivos cuja integridade original dos dados precisa ser mantida ou quando o máximo de dados possível deve ser preservado como, por exemplo, no arquivamento digital de textos, imagens, vídeos ou sons. Exemplo: o algoritmo DEFLATE, utilizado nos formatos ZIP, PNG e outros.
Compressão Lossy
Um método de compressão no qual dados são descartados, a fim de se obter uma maior taxa de compressão. Utilizada em situações nas quais os dados retirados não comprometem a compreensão da informação, como na compressão de imagens, vídeos ou sons digitalizados. Uma combinação de modernos algoritmos, desenvolvidos através de extensos estudos da percepção humana, remove informações pouco significativas ou que sequer são captadas por nossos sentidos. Exemplos: o padrão H.264, utilizado em transmissões Full HD e nos BDs (Blu-ray discs) e o MP3, popular formato de compressão de áudio.
Comprimento de Onda
O comprimento de onda (?) é importante no estudo dos movimentos ondulatórios, no qual é fundamental o uso de três parâmetros: o comprimento de onda, que é a distância entre duas cristas ou dois vales; a frequência , como sendo o numero de ondas que fluem por minuto num ponto fixo de referência; a amplitude, que se refere-se à altura de uma crista ou de um vale de onda em relação ao nível “0”, como a superfície da água quando em estado de repouso. Há entre o comprimento de onda e a frequência (ƒ) uma relação: quanto maior o comprimento de onda, menor o número de oscilações (o mesmo que vibrações). Isto é uma experiência que podemos observar quando estamos uma praia. Ao entrarmos um pouco na água, e nos fixarmos num ponto, poderemos sentir a frequência Se mar estiver agitado, veremos que passará por nós um número maior de ondas curtas; porém, com o mar mais calmo, passarão menos ondas e a distância entre duas cristas será maior, como ondas longas.
Constância de Cor
A habilidade do olho e cérebro humanos de perceber as cores sob uma variedade de condições de iluminação, compensando automaticamente pela diferença da temperatura cromática. Esse fenômeno também é conhecido por adaptação cromática.
Contraste Simultâneo
Uma anomalia perceptual humana onde cores e formas são afetadas pelas cores ou formas próximas. Por exemplo, um quadrado vermelho cercado por uma fina borda preta parece mais brilhante que o mesmo quadrado vermelho cercado por uma borda branca.
Cor
É a sensação perceptual criada pela mente humana, em resposta a certos comprimentos de onda de energia eletromagnética do espectro visível da luz. A percepção humana e a resposta a esses comprimentos são afetadas por muito fatores, incluindo a fisiologia, a psicologia, a linguagem e a cultura.
Cor Complementar
As duas cores que se situam opostas em um círculo cromático. Cores complementares se intensificam mutuamente quando utilizadas juntas e criam uma cor neutra quando misturadas. Por exemplo: uma cor descrita no processo CMY pelos índices C30, M45,Y28, terá como cor complementar uma outra com os índices que completam o valor de 100: C70, M55, Y72.
Cor da cerveja

Medida em “L” (graus Lovibond), por um aparelho chamado Lovibond tintométricos, criado e desenvolvido pelo fabricante de cerveja Joseph Williams Lovibond.

Cores Acromáticas
Incolor. Cores sem matiz e saturação. As variantes de uma escala entre branco e preto é toda acromática.
Cores Afastantes
Contrariamente às cores aproximantes, as cores “frias” parecem mais próximas ao observador e tendem a recuar.
Cores Análogas
Tons que estão intimamente relacionados no círculo cromático, como, por exemplo, vermelho, alaranja e amarelo.
Cores Aproximantes
No design de cores para espaços interiores e urbanos existem algumas nuances que parecem ter a propriedade de trazer superfícies ao olho do observador. Cores classificadas como “quentes” tendem a avançar.
Cores de Processo gráfico
As cores das tintas utilizadas em um dado processo de impressão, geralmente assumidas como sendo ciano, magenta, amarelo e preto, a menos que especificado de outra maneira. As cores de processo podem ser suplementadas por outras cores como azul, vermelho e verde como cores puras e bastantes saturadas em máquinas com até 7 ou 8 castelos de impressão, substituindo as cores compostas por estas, dando mais intensidade aos impressos, Ou então, o uso de outras tintas de cores fluorescentes ou metálicas.
Cores Frias
São os verdes, azuis e violetas.
Cores Intermediárias
Também chamadas de terciárias, são as cores produzidas pela mistura de uma secundária com uma primária.
Cores Neutras
São os pretos, cinzas, brancos, marrons, bejes e os bronzes. Não aparecem no círculo cromático.
Cores Primárias
Cores puras com as quais todas as outras cores podem ser obtidas, teoricamente, mas que não podem ser obtidas pelas misturas de outras cores. Em impressão, as primárias são os pigmentos “subtrativos” (ciano, magenta e amarelo) que misturados, subtraem a luz. As primárias “aditivas” são o vermelho, o verde e o azul, somatórias da luz.
Cores Quentes
São os vermelhos, laranjas e amarelos.
Cores Secundárias
São as cores criadas pela mistura de duas primárias.
Cores Terciárias
São cores formadas pela combinação de uma primária com uma secundária em diferentes proporções.
Cores Terra
Relativo às cores ou tons terrosos de certas tintas à óleo, como por exemplo, o “terra de siena”. Os terras são cores neutras e não têm, necessariamente, cor de terra, .No processo CMYK podem ser obtidas pela mistura de cores primárias com terciárias, em diferentes níveis de saturação. São tons ótimos para uso como “cor de fundo”.
Corpo Negro
Trata-se de um corpo oco que permite a realização de analises espectrais de fontes de energia que emitem radiação no espectro visível da luz, assim como das matérias de que se compõe a fonte emissora. Assim, a cor de uma luz qualquer pode ser comparada às radiações do corpo negro quando aquecido, designando-se a qualidade dessa luz por temperatura de cor. Para isso, utilizam-se graus Kelvin (K), que pode ser comparados a graus Celsius, começando porém no “0 absoluto”, isto é, -2730C. Para efeito visibilidade de todas as cores do espectro cromático, fontes de emissão de luz entre 3.500 a 4.000 K são suficientes. Porem, para uma perfeita reprodução da cor, é necessário fontes calibradas entre 5.500 K a 6.500 K.
Correção Cromática
É o processo de ajustar os valores das cores de uma imagem, a fim de corrigir ou compensar erros na fotografia, escaneamento ou separação.
Croma
A intensidade ou pureza de uma cor ou seu grau de saturação. Tecnicamente, refere-se à mistura de comprimentos de ondas em uma fonte luminosa, onde um único comprimento é a saturação máxima e uma mistura uniforme de todos os comprimentos é a mínima. Também conhecido simplesmente por intensidade.
Cromaticidade
A quantidade de saturação cromática.
Crominância
Índice de saturação cromática. Em imagens luminosas, trata-se da diferença colorimétrica entre uma cor e um padrão de igual intensidade.
CRT
Acrônimo de “Cathode Ray Tube” (Tubo de Raios Catódicos). Tubo de vácuo utilizado para a exibição de imagens numa tela fluorescente, através do bombardeamento de elétrons emitidos por um canhão eletrônico. No passado, foi largamente utilizado para a exibição de imagens em monitores, televisores e displays. Atualmente, a maioria dos grandes fabricantes cessou sua produção, já que outras tecnologias ganharam popularidade.
Curvas
Uma ferramenta para controle preciso dos relacionamentos tonais em aplicativos de edição de imagem, como o Photoshop.
Daltonismo
Defeito na capacidade de visão para as cores, especialmente o vermelho, normalmente confundido com o verde. O daltonismo, cujo nome deriva do nome do químico John Dalton (1766-1844), foi por este descrito após perceber que não podia distinguir certas substâncias apenas por suas cores, como normalmente o faziam outras pessoas. O fenômeno atinge até 10% dos homens e raramente as mulheres, tratando-se de um distúrbio hereditário ligado aos cromossomos sexuais. Há diversas variedades na incapacidade para distinguir certos matizes e suas nuanças: na protanopia para o vermelho; na deuteranopia para o verde; na tritanopia para o azul. O tipo mais raro é o daltonismo total, em que o indivíduo só percebe uma cor (monocromatismo).
Difração
Propriedade que um movimento ondulatório tem de sofrer alteração na sua frente geométrica de ondas ao encontrar obstáculos ou pequenas fendas. Esse fenômeno ocorre nas ondas de radiação eletromagnética, nas ondas sobre a água e nas ondas sonoras. As ondas aquáticas retilíneas apresentam-se como uma sucessão de “frentes de ondas” onde todos os pontos oscilam de modo sincrônico, isto é, em fase. Se estas ondas em fase passarem pela abertura de uma fenda existente em uma barreira, elas se tornarão curvadas, num grau maior ou menor, dependendo do tamanho de abertura da fenda. Esse fenômeno foi descrito pela primeira vez pelo italiano F. M. Grimaldi, como aparece em obra póstuma de 1665. Ver também interferência.
Dispositivos polarizadores
São construídos com lâminas de turmalina com uma panícula de álcool vinifico. Edwin Ebert Land, físico norte-americano, inventou em 1932 o filme polaroide, um sistema simples e de baixo custo para a polarização da luz, tendo fundado em 1937 a Polaroid Corporation, produtora de instrumentos científicos e óculos anti-ofuscantes, além da câmera Polaroid (1947) de fotografias instantâneas.
Dithering (Pontilhamento)
Uma técnica para a simulação de muitas cores a partir de poucas, através do arranjo das cores disponíveis em padrões de pontos ou píxeis. Quando vista em um tamanho apropriado ou de uma distância apropriada, a imagem pontilhada lembrará uma impressão de tom contínuo.
DPI
Acrônimo de “Dots per Inch” (Pontos por Polegada). Medida que representa a quantidade de pontos que podem ser colocados numa linha de uma polegada de comprimento (2,54 cm).
Duotônicos
São os meio-tons bicromáticos reproduzidos de uma fotografia em preto e branco ou colorida. O termo também se refere a uma imagem em meio-tom, renderizada com duas cores.
Efeito Fotoelétrico
Efeito de fotoemissão, que consiste na emissão de elétrons de uma superfície atingida por alguma forma de radiação eletromagnética, como por exemplo, a luz. A fotoemissão foi explicada por Einstein em 1905 através do conceito de fótons, lançando assim os fundamentos da teoria quântica.
Escolha Estética de Cores
Informação cromática de conteúdo estético e emocional. É baseada em relações específicas entre os atributos cromáticos e as regras de harmonia, para criar a impressão de ordem, calma, harmonia, etc. Tais relações são amplamente documentadas por combinações cromáticas no design, arquitetura, decoração, arte e assim por diante.
Espaço de Cor
Uma descrição da totalidade do cores reproduzíveis por qualquer dispositivo único na cadeia de reprodução, juntamente com quaisquer desvios tonais e cromáticos. Enquanto o espectro visível contém milhões de cores, muitas não são reproduzíveis em imagens digitais e, mesmo quando as gamas cromáticas de diferentes dispositivos se sobrepõem, é pouco provável que coincidam exatamente. Por exemplo, as cores que podem ser exibidas num monitor não podem ser todas impressas numa impressora comercial de quatro cores, e vice-versa - a impressora pode imprimir algumas cores que o monitor não é capaz de exibir.
Espaço de Trabalho

Um espaço cromático independente de dispositivos, podendo ser usado como ambiente de trabalho previsível e controlável para a edição de imagens.

Espectro Visível
É o intervalo completo dos matizes visíveis pelo ser humano, correspondente às ondas eletromagnéticas de comprimento variando entre 390 a 750 nm. O arco-íris é uma manifestação natural do espectro visível.
Esquema Análogo
Um esquema de cor utilizando duas ou mais cores que se situariam adjacentes em um círculo cromático.
Esquema Complementar
Um esquema cromático que utiliza duas cores complementares.
Esquema Cromático
É uma combinação cromática harmoniosa que utiliza duas ou mais cores. Os esquemas clássicos são: monocromáticos, análogos, complementares, triádicos e tetrádicos (também chamados de complementares duplos).
Esquema Triádico
Esquema que utiliza três cores espaçadas no círculo cromático, formando um triângulo equilátero ou um triângulo reto.
Fóton
O mesmo que porção - ou quantum - de energia eletromagnética como sendo a partícula associada à luz e a outras radiações eletromagnéticas. Apresenta a dualidade onda partícula, ou seja, pode se portar tanto como onda ou como partícula. A energia de um fóton é indicada por hv, sendo h a constante de Planck e v a frequência da radiação.
Fronteiras Vibrantes
Ocorre quando duas áreas de cores sólidas diferentes, geralmente complementares próximas ou de valores próximos, são colocadas lado a lado; o resultado é um perceptível efeito ótico de esvoaçamento.
Fugitivas
São as cores de tinta que facilmente esmaecem ou se deterioram.
Gama
A gama completa de cores disponíveis num dado espaço cromático particular. Por exemplo, a gama que pode ser capturada por um dispositivo de entrada, reproduzida por um dispositivo de saída ou descrita num espaço cromático funcional (podendo ser maior do que qualquer dispositivo real).
GIF
Acrônimo de “Graphics Interchange Format” (Formato para Intercâmbio de Gráficos). Um arquivo bitmap que usa até 256 cores indexadas para reduzir o tamanho do arquivo e simular uma maior gama de cores. Não é uma boa escolha para a reprodução realística de cores, mas é um dos favoritos em Web design, já que suporta transparência e animação.
Harmonia ou harmonização
Arte, técnica e ciência de combinar propriedades em coisas que afetam nossos sentidos, percebidos pelos canais da visão, tato, audição, cheiro.
ICC
Acrônimo de “International Color Consortium” (Consórcio Internacional da Cor). A organização responsável por definir padrões de cor entre aplicativos para imagens e reproduções digitais.
Imagem Residual
São imagens de cores complementares geradas pelo olho em resposta à super estimulação ou fadiga retinal.
Interferência
Fenômeno que ocorre com todos os movimentos ondulatórios, como da água. Inicialmente descrito por F. M. Grimaldi como difração. Quando duas frentes de ondas em fase (com um mesmo comprimento de onda e uma mesma amplitude de crista ou de vale) se sobrepõe, ocorre um novo padrão de amplitude como resultado da soma do máximo de 2 cristas, padrão esse conhecido por interferência construtiva. Por outro lado, quando acontece o encontro de uma crista com um vale de outra onda, (ondas defasadas) ocorre o fenômeno de interferência destrutiva, com o fundo do vale retornando ao nível “0” de amplitude,
Interferência Óptica
Demonstrada pela primeira vez em 1801 por T. Young, confirmando que a luz era um fenômeno ondulatório, já que os efeitos da interferência não poderiam ser explicados por modelos de raios ou de partículas como proposto por Newton. Usando uma tábua com duas fendas estreitas, Young dirigiu um feixe de luz monocromática (de uma única cor, com um só comprimento de onda), para um anteparo, produzindo uma zona iluminada por áreas claras intercaladas por faixas escuras. A experiência também pode ser feita com luz laser, que é uma fonte de radiação de fase uniforme (luz coerente), mostrando no anteparo uma zona bem iluminada com as áreas de interferência em bandas escuras de uma parte a outra da zona central.
JPEG
Acrônimo de “Joint Photographic Experts Group” (Junta do Grupo de Peritos em Fotografia). Popular formato de compressão lossy para imagens digitais, nomeado após o grupo que o criou.
LAB
Espaço de cor baseado na percepção, criado pela Commission Internationale de L’éclairage(CIE), uma organização científica internacional. O modelo LAB foi criado através de uma série de experimentos envolvendo pessoas, variando as intensidades de lâmpadas vermelhas, verdes e azuis para corresponderem a um conjunto de amostras de cores. L é a luminância (ou brilho) e A e B são eixos cromáticos variando do vermelho ao verde e do azul ao amarelo, respectivamente.
Luminância
O brilho de uma cor, do preto sólido ao valor mais claro possível.
Luz Polarizada
A difusão da radiação no gás da atmosfera provoca uma polarização da luz, segundo a posição do sol no céu. A maioria das pessoas são incapazes de distinguir a luz polarizada; segundo alguns pesquisadores, somente 25% da população possuem tal capacidade, em geral insuspeitadamente. Observando a luz polarizada, estas pessoas notam, no centro do campo visivo, um traço de cor amarelo-limão pálido, semelhante a um feixe de espiga recurvado: girando o plano de polarização, o feixe parecerá estar girando também. Se prova isto projetando-se um raio de luz num recipiente de vidro cheio de água turva, misturada com um pouco de leite: a luz virá difusa em toda as direções e a marca do traço será visível observando-se o recipiente tanto do alto, como de lado ou lateralmente. Agora, enviamos o feixe de um espelho, de modo a formar um ângulo de 55o , com o reflexo atravessando o recipiente que contém a água turva. Examinando o recipiente de lado será visível um traço luminoso intenso; examinando do alto, o traço de luz será invisível. Portanto, depois da reflexão produzida pelo espelho, a luz não exercita sua ação pelo alto e por baixo na seção transversal do feixe, mas só lateralmente; manifesta-se direção preferencial de ação na seção transversal do feixe. A luz adquiriu uma polaridade, que manifesta a sua máxima ação numa certa direção e quase nada na outra. Em geral, as superfícies brilhantes, que refletem de modo regular, como o espelho ou o metal polido, polarizam a luz. Há ainda polarizações derivadas de materiais como o spato, o quartzo, a calcita, que tem uma modalidade de refração normal e uma polarizada; como a turmalina, que deixam emergir só raios polarizados.
Matiz
O atributo de uma cor definido por sua forma de onda dominante e consequente posição no espectro visível. O matiz é é o principal elemento pelo qual definimos uma cor como amarelo, azul, vermelho etc.
Metameria
Uma propriedade indesejável do material impresso, quando o balanço do cinza parece mudar em resposta às condições de luminosidade, dependendo da conteúdo espectral da luz. Este é o efeito responsável por itens cujas cores correspondem a um tipo de iluminação (fluorescente, por exemplo) e não mais sob outras (luz do dia ou incandescente). Uma tinta automotiva não pode apresentar esse “defeito”, pois a cor do carro pareceria outra quando sob diferentes fontes de luz.
Mistura Aditiva de Cores
Importante aspecto da Teoria da Cor é demonstrado pela mistura da luz vermelha, verde e azul para criar a luz branca (desde que todas na mesma intensidade) ou uma das milhões de outras cores quando misturadas seletivamente. É base de todos os displays luminosos, assim como as TVs, os monitores de computador e os sistemas de captura digital de imagens.
Mistura Partitiva
Um método de adicionar cores a uma imagem. Finos pontos ou linhas de cores cuidadosamente escolhidas criam a impressão de uma nova cor sendo, na realidade, o olho e o cérebro misturando-as. Uma antiga técnica na arte tradicional, forma a base do pontilhamento na mídia impressa.
Mistura Subtrativa de Cores
Modelo cromático que descreve as cores primárias da luz refletida: ciano, magenta e amarelo (CMY - Cian, Magenta, Yellow). A mistura cromática subtrativa é a base das cores impressas.
MLS
Sigla para Matiz, Luminosidade e Saturação, cujos índices permitem uma perfeita descrição de uma determinada cor.
Molde de Cor
Um viés numa imagem colorida, que pode ser tanto intencional como indesejado. No primeiro caso, geralmente ocorre no estágio de edição de imagens para aumentar o humor ou sentimento da imagem. No último, o molde é devido a falhas ou limitações no processos de captura ou reprodução, como a iluminação usada na fotografia original ou um erro de impressão.
Níveis
Uma ferramenta de edição de imagem que mapeia os tons de uma imagem, das sombras mais escuras às luzes mais brilhantes, em forma de histograma. Pelo ajuste de cursores no histograma, você pode remapear os tons da imagem a fim de melhorar o uso do arranjo tonal disponível.
Paleta
É um grupo de cores utilizadas por um pintor na superfície sobre a qual deposita suas tintas. Ou os recursos existentes nos programas de edição e retoque de imagens de que o designer se utiliza um projeto ou trabalho específico.
Perfil
A descrição colorimétrica do comportamento de um dispositivo de entrada ou saída, que pode ser usado por um aplicativo para garantir a transferência precisa dos dados cromáticos. Um perfil descrevendo o espaço cromático utilizado durante a criação ou edição de imagens e deve idealmente ser embarcado no arquivo da imagem, para que ele possa ser posteriormente usado como referência por outros usuários, aplicativos, dispositivos de saída ou displays luminosos.
Pigmento
A matéria da cor (geralmente em pó) usada em tintas. Pode ser natural ou sintética.
Pixel
Contração de “Picture Element” (Elemento de Imagem). O menor componente de uma imagem digital.
Ponto Branco
A cor do branco “puro”. Numa imagem RGB, corresponde aos valores de R, G e B ao máximo; o branco mais claro que um monitor pode exibir ou um scanner pode ler; em impressão ou outra saída impressa em CMYK, geralmente significa a cor do papel.
Ponto de Meio-tom
O elemento básico de uma imagem impressa, onde o original de um tom contínuo é reproduzido (screened) quebrando-o em padrões de pontos igualmente espaçados, de vários tamanhos, para estimular os valores tonais. Imagens coloridas são reproduzidas pela sobreimpressão de padrões de meio-tom em cada uma das cores primárias.
PPI
Acrônimo de “Pixels per Inch” (Píxeis por Polegada). A medida de resolução para imagens digitais ou displays luminosos em termos de quantos píxeis cabem numa polegada de tela ou espaço de imagem.
Prova via Software
Uma funcionalidade em aplicativos gráficos e de publicação profissional onde os efeitos de uma conversão CMYK ou RGB ou de um processo de impressão são simulados na tela, da maneira mais precisa possível dentre as limitações de gama da tela usada.
Renderização Cruzada
Para renderizar cores de um espaço cromático em outro, geralmente para simular a saída de um dispositivo em outro (exemplo: simular uma impressora offset usando uma impressora à jato de tinta).
Resolução
O grau de claridade e definição pelo qual uma imagem pode ser reproduzida ou exibida. A resolução é medida em termos de pontos ou píxeis por polegada ou centímetro.
RGB
Acrônimo de “Red, Green, Blue” (Vermelho, Verde, Azul). As cores primárias do modelo cromático aditivo. Sistema de cor preferencialmente utilizado na WEB por imagens digitais e em todos os equipamentos eletrônicos de captura e reprodução de cores.
Saturação
A variação na “pureza” da cor de mesmo brilho tonal, partindo do nenhum (cinza), através de tons pastéis (baixa saturação) até a cor pura sem cinza (saturação alta ou completa). Veja também croma.
SCC – Sistema de Cores Cecor
Trata-se de um sistema brasileiro que utiliza as cores CMYK para descrever 4.800 pontos-de-cor em termos de Luminosidade, Saturação e Matiz. O SCC é a base de todo o material didático e ferramentas desenvolvidas sobre arte e ciência da cor.
Separações
As versões “separadas” de uma página ou imagem que foram preparadas para o processo de impressão. Cada separação é usada para imprimir uma das cores que irão compor as imagens finais de um impresso.
Simbolismo Cromático
Dependendo de fatores culturais e antropológicos, as cores são convencionalmente ligadas a diferentes ideias ou estados de espírito. Nossa percepção das cores no ambiente pode ser perturbada pelo simbolismo que emocionalmente atribuímos às diferentes cores e suas combinações.
Sinestesia Cromática
Sinestesia significa “a interação entre vários sentidos”. Resumidamente, a visão de uma determinada cor pode ser alterada e até mesmo influenciada por sensações de diferentes naturezas perceptuais. O assunto é de interesse no âmbito dos projetos cromáticos de qualquer natureza, quando a aparência do ambiente deve ser avaliada “globalmente”.
Sombras
São matizes misturados com preto, a fim de formarem outras cores escuras.
sRGB
Espaço de cor RGB criado conjuntamente pela HP e Microsoft. Atualmente, a maioria dos monitores, impressoras, câmeras e TVs digitais atende ao padrão sRGB, bem como os principais softwares de edição de imagens.
Temperatura de Cor
Uma medida da composição das formas de onda da luz branca. É definida como a temperatura (medida em Kelvins) para a qual um teórico “irradiador de corpo negro”, não reflete luz mas emite quando aquecido para produzir uma determinada cor luminosa. Uma típica lâmpada de tungstênio, por exemplo, mede 3200 K, enquanto a temperatura da luz solar indireta é de 5000 a 6.550 K. Já, a “temperatura psicológica” das cores se refere às sensações que produzem.
TIFF
Acrônimo de “Tagged Image File Format” (Formato de Arquivo de Imagem Marcada). Um popular formato de arquivo gráfico que pode ser utilizado para qualquer imagem bitmap e para separações cromáticas. O TIFF pode ser usado para imagens em preto e branco, tons de cinza e coloridas. Pode conter perfis de cores embarcados e oferece uma opção de compressão lossless.
Tons
São criados pela mistura de um matiz puro com sua cor complementar ou pela mistura de cinzas em diversos graus da escala em branco e preto.


© 2010 - 2017  Gerart Design e Recursos Visuais Ltda, para todos os textos e imagens.